sexta-feira, 29 de maio de 2020

Normose




“Todo mundo quer se encaixar num padrão. Só que o padrão propagado não é exatamente fácil de alcançar.

O sujeito 'normal' é magro, alegre, belo, sociável, e bem-sucedido. Bebe socialmente, está de bem com a vida, não pode parecer de forma alguma que está passando por algum problema.

Quem não se 'normaliza', quem não se encaixa nesses padrões, acaba adoecendo.

A angústia de não ser o que os outros esperam de nós gera bulimias, depressões, síndromes do pânico e outras manifestações de não enquadramento.

A pergunta a ser feita é: quem espera o quê de nós?

Quem são esses ditadores de comportamento a quem estamos outorgando tanto poder sobre nossas vidas? Eles não existem!

Nenhum João, Zé ou Ana bate à sua porta exigindo que você seja assim ou assado. Quem nos exige é uma coletividade abstrata que ganha 'presença' através de modelos de comportamento amplamente divulgados.

Só que não existe lei que obrigue você a ser do mesmo jeito que todos, seja lá quem for todos. Melhor se preocupar em ser você mesmo.

A normose não é brincadeira.

Ela estimula a inveja, a auto depreciação e a ânsia de querer o que não se precisa.

Você precisa de quantos pares de sapato? Comparecer em quantas festas por mês? Pesar quantos quilos até o verão chegar?

Não é necessário fazer curso de nada para aprender a se desapegar de exigências fictícias.

Um pouco de auto estima basta.

Pense nas pessoas que você mais admira: não são as que seguem todas as regras bovinamente, e sim, aquelas que desenvolveram personalidade própria e arcaram com os riscos de viver uma vida a seu modo.

Criaram o seu 'normal' e jogaram fora a fórmula, não patentearam, não passaram adiante.

O normal de cada um tem que ser original.

Não adianta querer tomar para si as ilusões e desejos dos outros.

É fraude. E uma vida fraudulenta faz sofrer demais.

Eu simpatizo cada vez mais com aqueles que lutam para remover obstáculos mentais e emocionais, e a viver de forma mais íntegra, simples e sincera.

Para mim são os verdadeiros normais, porque não conseguem colocar máscaras ou simular situações.
Se parecem sofrer, é porque estão sofrendo.

E se estão sorrindo, é porque a alma lhes é iluminada.

Por isso divulgo o alerta: a normose está doutrinando erradamente muitos homens e mulheres que poderiam, se quisessem, ser bem mais autênticos e felizes."


Prof. Hermógenes - Manifesto Visionário



quinta-feira, 28 de maio de 2020

Segundo uma menina de 10 anos, razão é quando o cérebro aproveita que o coração dorme e toma a decisão. 


 

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Qual é o seu nível de esperança hoje?


Estamos passando por uma situação que algo parecido só foi vivenciado por umas três ou quatro das nossas gerações passadas. 


Este isolamento social no meio de uma pandemia foi algo muito estranho para mim. PARA MIM. Não que eu tenha problema em ficar em casa ou conviver comigo e meus migos. Já passamos bastante tempo juntos e aprendemos a coexistir-nos.


 (Edgar Allan Poe)


O que aconteceu é que bateu um desânimo tão grande de fazer as coisas que normalmente eu faço, mas, em compensação, comecei a fazer várias coisas que normalmente não fazia. 


Tive uma preguiça monstra de ler e escrever. Não sei bem se era preguiça ou falta de paciência. Acho que era mais falta de paciência. É... é isso.

Até março, havia lido 5 livros em 2020. 

Fato é que pegava em um livro e nem da primeira página eu passava. Em quanto que, não saía da cozinha. Várias receitas que estavam no limbo infinito do caderno de receitas, ficaram prontas. 


A vontade de escrever um livro diminuiu. A vontade de fazer faculdade de gastronomia aumentou. 


Vou esperar um pouco as coisas NÃO voltarem ao normal e decidir. Seja lá o que for.


Durante este período, estava trabalhando normalmente - dentro do possível - e tomando os devidos cuidados: passando álcool em gel o tempo inteiro; usando máscaras, desinfectando o local de trabalho, quando eu chegava em casa, trocava de roupa do lado de fora colocando-a para lavar, entrava direto para o banheiro para tomar banho, estava vindo trabalhar de carro, sem utilizar o transporte público, etc.; fiquei muito tempo no celular acompanhando a quantidade de casos, as histórias pessoais (orando para que alguém na minha família não fizesse parte das estatísticas), assistindo a vídeos de professores universitários sobre o momento atual, filosofia, sociologia e por fim – muito tristemente e com uma desesperança sem fim – a política. 


Não vou entrar no mérito sobre direita e esquerda. Não que política não se discute. Se discute sim! Mas, é um assunto bem complicado para ser dito só em um desabafo.


Mas, comento aqui a postura que o presidente do Brasil teve – até agora – durante todo este processo foi e está sendo de uma indiferença que beira a loucura: “E daí? Quer que eu faça o quê?; Eu não sou coveiro para saber esta informação!” são algumas das frases utilizadas pelo governante em entrevistas aos jornalistas e sem se importar com evidências científicas, com números e com vidas, ele promoveu aglomerações, falou aos empresários para pressionarem seus governadores e prefeitos para abrir o comércio, participou de manifestações... tudo isso sempre com o discurso de: "Este vírus está no Brasil, mas veio da China. Isso não é culpa minha, não."

O que ele fez (faz) é só de eximir de uma responsabilidade da qual ele se candidatou para ter: Governar. 


E parafraseando um eleitor dele mesmo: “Só me provou que nenhum político está preocupado com o povo mesmo não.”

Sim, tem eleitor arrependido. Mas, não são todos. 


Tão perverso quanto as atitudes do presidente, são as dos seus outros eleitores que diante da minha indignação, conseguem me dizer: “Deixe-o roubar um pouquinho! Os outros roubaram foi muito!” 


Como se existisse ética flexível e quando a quebram por corrupção/roubo de valor “pequeno” ou em nome da família (assunto para outro texto), está tudo bem. 


Nenhum governo precisa de apoiadores cegos (ou uma oposição sem critérios) e é um sonho utópico - queria que não - que todos ou a maioria dos eleitores que votaram nele colocassem a cabeça no centro do corpo e alta,  a coluna reta e começassem a cobrar dele políticas públicas para que possamos sair adiante desta crise, que já mostra tendência de ser grande, com o mínimo de impacto que seja possível.  
 

Enfim. 


São tempos difíceis estes! 


Manter-se motivado, com saúde mental e física em dia e ainda cuidar-se para diminuir a possibilidade de contágio próprio e dos demais membros da família exige bastante esforço pessoal e coletivo.


O que podemos aprender com isso?


Fica para a próxima.


sexta-feira, 20 de março de 2020

Equinócio de Outono




CANÇÃO DE OUTONO


Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.
De que serviu tecer flores
pelas areias do chão
se havia gente dormindo
sobre o próprio coração?


E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando aqueles
que não se levantarão...

 
Tu és folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
- a melhor parte de mim.
E vou por este caminho,
certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão...


Cecília Meireles

quarta-feira, 18 de março de 2020

Normose

“Todo mundo quer se encaixar num padrão. Só que o padrão propagado não é exatamente fácil de alcançar. O sujeito 'normal' é magro, ...