sábado, 31 de dezembro de 2011

Happy New Year - 2012



Under Pressure - Queen

Insanity laughs under pressure we're cracking
Can't we give ourselves one more chance

Why can't we give love that one more chance?
Why can't we give love...?
give love give love give love give love give love give love give love give love...

'Cause love's such an old fashioned word
And love dares you to care for
The people on the edge of the night
And loves dares you to change our way of
Caring about ourselves
This is our last dance
This is our last dance
This is ourselves





Que todos mis amigos y yo tengamos: 

Paz, amor, prosperidad, sonrisas, dinero, piernas fuertes para la nueva caminada, mente sana para saber que no todo es problema, besos en la boca, abrazos fuertes y mucho sexo.



¡BIENVENIDO 2012!





Qué seas el mejor año... hasta ahora.



sábado, 24 de dezembro de 2011

Merry Christmas


Dear Santa Claus:


I won´t ask you for any gifts because this year I was a good girl and because it I received everything that is mine. I worked hard for it.

Buuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuut, I would like to have just ONE HUG.

I can understand that you are so tired and in the place that you live is so cold and even so, there are many houses to visit and leave gifts for those children.

Because I´m a good girl, I won´t be sad if you won´t go here to give me "the hug".

Because I´m a good girl, I agree that you send your assistant to do your work.




Better: if you are here, SOB, you will be received like him.






The warning was given.
 -
 -
 -
-
MERRY CHRISTMAS!!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Navidad


Estimado Papá Noel:


Este año fui una buena niña y por haberlo sido no te pido nada porque ya lo he recibido lo que es mío por derecho durante todo el año, O SEA, necesito nada.

Peeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeero, lo único que quiero es un abrazo.

Entiendo que, a dónde vives hace mucho frío Y cómo tienes algunas “primaveras” en la espalda que tienes que cargarlas, comprendo tu dificultad de locomoción y por ser tan comprensiva no me voy a poner triste si no recibo tu visita.

Puedes enviarme uno de tus ayudantes.




Por cierto, si te atreves a venir, HDP, serás recibido así:



Estás avisado.




¡FELIZ NAVIDAD!

Natal

Querido Papai Noel:
-

Este ano fui uma boa menina e por ser uma boa menina não vou pedir nada porque se fui uma boa menina já fui recompensada, OU SEJA, não estou precisando de nada. 

Maaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaas, porém, todavia, contudo, gostaria de receber um abraço.
-
Entendo que, onde você mora está fazendo muito frio E como você já tem algumas "primaveras" para carregar no corpo, compreendo a dificuldade de locomoção e não ficarei triste se não receber sua visita.


O seu ajudante pode executar essa tarefa satisfatoriamente.







Aliás, se você se atrever a aparecer por aqui, FDP, vai ser recebido assim.








Está avisado.




Por falar nisso:


FELIZ NATAL!!!




segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Toc toc

Necesito un cuaderno que esté 24 horas conmigo. Así, cómo si fuera mi mejor amigo.

Siempre tengo muchas ideas para escritos, pero siempre se me olvida todas en el momento que intento recordarlas.         


Necesito un cuaderno. En serio.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Eso dicen

"... dicen 
 que la avenida está sin árboles
 y no soy quién para ponerlo en duda"

Mario Benedetti
Querido poeta:

Te digo que sí, hay árboles... en tu tierra el sol brilla y la vida sigue. 






Sencillo

 

Llanto:

m. Efusión de lágrimas acompañada frecuentemente de lamentos y sollozos.








Que se acabe el día y yo no. 

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Construcción

Mi familia en la misa de domingo. 

A la hora de la homilía, el cura y sus dos horas de sermón:

- "Porque nosotros necesitamos practicar buena acción. A cada buena acción que hacemos al prójimo, echamos un ladrillo más en nuestra habitación celestial... ¿Cómo están sus casas en el cielo? ¿Pequeñas? ¿Ya son mansiones?"

He que mi hermana:

- La mía está bien grandota AUNQUE esté alquilada. Tan temprano no pienso en mudar para allá. 

- ...






 ¿Y creen ser fácil ser infeliz con una familia así?

 

terça-feira, 15 de novembro de 2011

A la espera

Sentada en la sala de espera.

De nuevo.

Pero ahora sin "aburricentes" para molestarme. Sólo un par de ojos negros mirándome aunque sin mucho qué decir.

Mi espera es diferente. No es espera por el médico...

Escribo para que mis nervios me dejen en paz. 

Como si fuera posible tal cosa. Tienen vida propia y siempre hacen lo que les dan ganas.

Escribo para desahogarme.

Escribo para acalmarme.

Sin mucho éxito, por cierto.

Escribo copiosamente.

Escribo sin ganas.
Fernando Pessoa dijo que escribir es una manera de librarse del mundo. Sentirse fuera de si mismo. 

No sé si tengo el desprendimiento ése. Creo que no lo tengo. Aunque insisto en las palabras.

Al fondo se oye una canción lenta, suave. Pienso que es A-HA. Música siempre me acalma. Incluso en cuanto no es una de mis preferidas.

Eso siempre funciona.

Debería quedarme todo el tiempo con audífonos.

Y ya se acaban las líneas del papel. Mi único.

Escribo, escribo, escribo... en reticencias... sin fin...






domingo, 13 de novembro de 2011

Adele - Someone Like You

Talento para hacer llorar a los grandotes.


quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Desistan de mí

- Todas las veces que te recuerdo, es como si hubiera una cámara lenta en mi mente y una película a pasar.

- Una película de amor, se supone

- De hecho una de terror.

- ...

- (risas) No es cierto, Paulo. Es broma.

- Vale.

- No es una película de amor. Tampoco de terror. Son imágenes borrosas, raras, como si no hubiera vivido todo aquello. Como si todo aquello no pasara efectivamente de una película. No tengo recuerdos claros de tí en mi vida. Sé que un días has estado allá donde hoy llamo pasado. Recuerdo tus palabras, ni siempre bonitas... No más.

- Mucha cosa ha cambiado. Yo, por ejemplo, Sarah. Yo cambié. Prueba de eso es que ahora estoy aquí, delante de ti...

- No sé si quiero estos cambios. A mi me gustaría dejar el pasado a dónde él se encuentra ahora. EN EL PASADO. Quiero vivir cosas nuevas, quiero llorar por cosas y personas nuevas, quiero nuevos sentimientos, quiero... lo que quiero del pasado en mi compañía. No te deseo mal tampoco que seas feliz. Sólo... sólo... la vida es mucho más que eso para que sigamos siempre con las mismas personas, teniendo la opción de hacer diferente... y, además, no quiero que me salven.





Foto: Ruero


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Pedido



Por favor, que le digan a Ildefonso Falcones que no más escriba. 

Nada.

Caso contrario tendré serios problemas de salud. 

No duermo... No como... No ceno...



No. Consigo. Parar. De. Leerlo.





No te salves

 No te salves 

Por Mario Bendetti





No te quedes inmóvil
al borde del camino
no congeles el júbilo
no quieras con desgana
no te salves ahora
ni nunca
no te salves
no te llenes de calma
no reserves del mundo
sólo un rincón tranquilo
no dejes caer los párpados
pesados como juicios
no te quedes sin labios
no te duermas sin sueño
no te pienses sin sangre
no te juzgues sin tiempo 


pero si
pese a todo
no puedes evitarlo
y congelas el júbilo
y quieres con desgana
y te salvas ahora
y te llenas de calma
y reservas del mundo
sólo un rincón tranquilo
y dejas caer los párpados
pesados como juicios
y te secas sin labios
y te duermes sin sueño
y te piensas sin sangre
y te juzgas sin tiempo
y te quedas inmóvil
al borde del camino
y te salvas
entonces
no te quedes conmigo.


segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Um nenhum

Por Viviane Mosé


(Publicado no site da agência Carta Maior, na seqüência de cartas endereças “Ao arqueólogo do futuro”.)


Senhor arqueólogo, foi muito difícil encontrar um lugar a partir do qual pudesse me dirigir ao senhor. Infinitas são as perspectivas que nosso tempo nos permite, desintegrado que está por tantas razões que não caberiam nesta cartinha. Então, resolvi falar de um lugar comum. O lugar de um homem.

Todo homem é comum mesmo não sendo. O não ser comum do homem parece estar em sua forma própria de ser comum. Em seu jeito singular de sofrer, brincar, envelhecer. Em sua necessidade de construir, simbolizar, criar. Um homem não deixa de ser comum mesmo entre letras, livros, máquinas, sistemas, signos. Um homem é sempre uma trajetória que declina. Que ascende, mas que declina. O comum do homem é sua aparição relâmpago, o seu constituir e o seu perecer. O comum do homem é sua necessidade de dizer, manifestar, inscrever, perpetuar. Ao mesmo tempo sua impossibilidade de permanecer. Todo homem constitui-se na tensão entre viver e morrer, entre dizer e calar, entre subir e descer. Mas, por razões extensas e difíceis, a história humana parece ter se ordenado em torno da vontade de não ser.

Não envelhecer, não sentir dor, não se cansar, não se aborrecer. O homem parece envergonhar-se de ser: pequeno, sensível, mortal, humano. E organiza-se em torno de um ideal de homem, sem corpo. O homem envergonha-se de seu corpo. Não de seu sexo ou de seu prazer, mas de suas vísceras, de seus excrementos, de seus sons e odores, de seu processo bioquímico, fisiológico, orgânico. O homem envergonha-se de morrer e vai acuando-se, escondendo-se, perdendo-se em torno de uma idéia, de uma imagem. Em sua luta por não ser comum, o homem tornou-se nenhum. Todo homem virou nenhum. Nenhum homem na rua, em casa. Nenhum homem na cama. Nenhum homem, mas um nome. O homem se reduziu a um nome. Não um nome próprio, mas um substantivo.

Mas um homem é sempre maior que um nome mesmo que não queira. E uma outra história foi sendo tecida por trás desse desejo de não ser. Enquanto construía seus mecanismos de não corpo, enquanto se constituía como idéia, pensamento, imagem, a humanidade proliferava em seus excessos contidos, em suas angústias não canalizadas, em suas paixões não vividas, em seus pavores maquiados. E um corpo invertido, nascido de tantos corpos abafados, foi constituindo-se socialmente, foi ganhando força e vida. Uma vida invertida, mas uma vida.

Tóxica, ela foi se alastrando pelas casas, pelas ruas, em forma de morte. A morte negada, as perdas e dores abafadas, saíram às ruas reivindicando seu espaço. O que antes esteve circunscrito aos campos de batalha, às margens, aos guetos, agora ganha as escolas, os metrôs, os restaurantes, as praias. Não há mais lugar seguro, carros blindados, condomínios fechados. Agora todos somos igualmente passíveis. 

Vivemos a democratização da violência. Vivemos o predomínio daquilo que foi por tanto tempo obstinadamente negado.

A violência trouxe-nos de volta a urgência pelo corpo, pela vida, pelo tempo. E apartou-nos de nosso sonho de perenidade, de futuro, de verdade. Agora, todos estamos órfãos de nosso medíocre projeto de felicidade. Agora é preciso viver, temos urgência do instante, precisamos do corpo, mesmo gordo, magro, estrábico. E aqui, de meu lugar comum, de mulher comum, enquanto lavo a louça do café olhando a cor insistente da tarde que passa, me pergunto por quê? Por que não os dias nublados, as dores do parto, os serviços domésticos? Por que não o escuro, o delírio, a solidão? As lágrimas, os espinhos no pé, as quedas?

Dizem que o homem, como conhecemos, tende a desaparecer. É possível que uma espécie mais forte possa surgir, uma espécie capaz de um dia divertir-se com este nosso hábito demasiadamente humano de negar o inexorável, de controlar o incontrolável, e, não conseguindo, de esconder-se em cápsulas virtuais, em psicotrópicos de ultima geração, em imagens. Um homem que talvez tenha sempre existido pode começar enfim a surgir. Um homem capaz de viver a dor e a alegria de ser mortal, singular, sozinho, comum. Um homem capaz de gritar sua dor impossível. Um homem capaz de cantar. Um homem capaz de viver. 


sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Mirada




A sus ojos soy la mejor tía del mundo.





domingo, 30 de outubro de 2011

Society - Eddie Vedder

Banda sonora de la película - Into The Wild


En blanco y negro



Mucho se escribe,  poco se dice y menos se hace en los días actuales.

Las personas se refugian mucho en las palabras últimamente, no en sus acciones.






Imagem: "Rosa em preto e branco", por Luis Condessa.
(www.flickr.com)


sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Yo

Me fizeram em Mangá.  

Me han hecho Mangá. 

They turned me into Manga. 








quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Lembranças


Não sei quem disse que recordar é sofrer duas vezes, mas juro que não tinha uma família como a minha.

Anos atrás, quando eu ainda estava na faculdade, chegou sábado, depois da aula, o professor avisou que teríamos prova de Matemática Financeira na segunda-feira. 

Resultado: Se havia alguma possibilidade de descanso no que sobrava de fim de semana, essa ficou ali na sala de aula.

Corri para casa para estudar.

No domingo, almoço em família. Todos falando (entende-se gritando), brincando lá fora e eu apaixonada com minha HP12C prateada, linda. :´(

Morrendo de vontade de sair e foi exatamente o que fiz.

Cheguei no quintal: churrasco, cerveja, irmão, irmãs, cunhados, cunhada e afins. Todos reunidos. Meu sobrinho, lindo, todo empolgado ao me ver:

- Olha!! A tia Lila chegou.

Aplausos, gritarias, pedidos de autógrafos e meia hora depois consegui sentar com ele. Perto dos brinquedos.

Sobrinho impaciente: Vc demorou.

Tia inteligente: Estava estudando, mas agora já chega de pensar. Quero pensar em nada mais.

Sobrinho filósofo: Tia, se você não pensa, vc é burra. 

Tia atônita: ...


_______________________________



Meu pai tem 89 anos e é o amor da minha vida. Sempre levou a vida com responsabilidade, mas com um desapego que impressiona. 


O único sofrimento dele é se alguma grave acontecer com a gente, filhos dele. No mais, nada é problema para ele. 


Outro dia estávamos tomando café à tarde e ele começou a pensar e a falar sobre a vida dele.


 - “A morte já veio me buscar umas 4 vezes e eu mandei outros no meu lugar. Sou um dos mais velhos dos meus irmãos e ainda estou vivo. Dos mais novos quase todos já foram. Mas, se eu puder escolher, quero morrer igual meu irmão Henrique. Caiu pra trás que não teve tempo nem de falar Amém. Jajajajajajajajajajajaja...” ( Meu tio Henrique teve um infarto fulminante)

Filhos: ...



______________________________



Tenho um bebê de 1 ano e 8 meses na minha família. Meu sobrinho. Meu conceito de perfeição mudou muito depois da chegada dele. 


Ele costuma chamar a minha mãe, Maria, de Vovó Ia. 


Dia destes, levamos o Bruno na casa de uma amiga da minha mãe. Nesta casa tinha umas galinhas e o bebê ficou louco para pegar uma delas. A amiga da mamãe querendo agradar, pegou uma das galinhas, colocou perto dele e disse que a galinha se chamava Maria. 


Pensem no que aconteceu depois.
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-


Bruno passou o resto do passeio correndo atrás da galinha e chamando ela de Vovó Ia. 


 ______________________________________


Quando as pessoas me perguntam como é que posso viver sempre com um sorriso no rosto? Acredito que é até por comodidade. Ser infeliz ia me dar muito trabalho!!




quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Mañana habrá post.

Mas tranquila. Se supone.


Mantra do dia.

Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder.Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder.Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder.Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder.Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder.Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder.Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder.Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Vai se fuder. Amém.









segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Percepciones


Me gustaría hablar de tres cosas distintas aunque estén interconectadas.



Hace unos días, una niña china, Yue Yue, de 2 años, fue atropellada en una calle de un mercado en una de las ciudades de aquél país. Se quedo tumbada en calle, agonizando, sangrando y sin socorro durante 7 minutos. 18 personas pasaron por ella y ni siquiera una mirada le lanzaron. Rechazo total. La niña se ha muerto el viernes pasado en consecuencia del accidente. 



Hace dos meses, un bebé recién nacido fue puesto dentro de un bolso plástico y tirado a la calle de la ciudad de Guarulho, São Paulo, por un coche en movimiento. Ha sido atropellado por otro coche que venía a seguir. 



Rebeldes libios que luchaban a favor de la "libertad" y la "esperanza", han rendido y matado al Jefe de Estado libio que solían llamarlo dictador. Muamar Kadafi. Tras ser preso y haber rogado por misericordia, como se puede ver en los videos,  lo han matado. Y a su hijo primogénito también. 

 


De mi parte:

1) En los dos primeros casos, no han tenido tiempo de enseñarles a estos dos bebés lo que es ser humano. Aunque hubo tiempo suficiente para enseñarles lo que es ser deshumano.


2) Que no existe religión, cultura, filosofía, política o palabra que pueda explicar tanta maldad.  


3) En el tercer caso, lo que para algunos es justicia, para otros es muerte. Y que celebrarla -  así cómo lo han hecho - les hace ser exactamente igual al que han matado. Sin diferencia alguna. 


4) Que la vida tiene el mismo valor de una mierda mientras nos pongamos ajenos a  todo eso. 


5) Que la indignación que siento ahora por todo eso es tan grande, tan grande que… 




Qué Facundo Cabral me perdone, pero, últimamente, los sonidos de bombas son más perceptibles que las caricias. Claro, ¿cómo puede él saberlo? Lo mataron también. 




No es fácil creer en la humanidad. 

 
Tampoco lo intento.


segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Desconstruyendo



Poco a poco, pieza a pieza… sacar los libros del estante. 

Hacer el mismo con los días que se tornaran demasiados largos en la ausencia, minuto a minuto y sentimiento a sentimiento.

Lo peor es la certeza de descubrir que todo lo que ella soñaba era mucho más fuerte y bonito de lo que era realidad.




Welcome to the real life!!