quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Aniversário

Escrito em 4 de janeiro para meu aniversário. Publicando um pouco atrasada só para não perder "la mala costumbre".


 
Dizem que quando está chegando perto do nosso aniversário, costumamos pensar mais em nossas vidas.

Nunca aconteceu comigo.

Os períodos das minhas supostas “crises existenciais” eram sempre longe de aniversários. Nesta época eu sempre fico feliz. Uma felicidade sem motivo. Com vida própria e contagiante. Sem precisar de permissão ou motivo para existir. Simples assim.

Lembro-me de ter a casa cheia de gente sempre. Minha mãe sempre fazia bolo recheado com alguma coisa. Doce pastoso de coco, de preferência. A situação econômica podia ser a pior possível, mas a lembranças que estes pequenos momentos (muitas vezes sacrificados) deixaram são as melhores.

O tempo passa sim.

E que bom que isso acontece!!!

Crescemos, melhoramos, aprendemos a (con)viver com a gente e (re)aprendemos a falar, pensar e ouvir. (Re)aprendemos a viver. 


 

Parafraseando ao meu amigo Gustavo Caballero: “Somos todos feitos de lembranças.”

4 comentários:

  1. eu gosto do último parágrafo.

    e depois que lembrança é essência e inferno astral nenhum tem tanto significado dentro das nossas crises existenciais.

    o tempo passar é o que torna o existencialismo suportável. e aí a data é a lembrança.

    ResponderExcluir
  2. A única frase que vc elogiou não foi escrita por mim. :-(


    Meu existencialismo está muito bem suportável últimamente desde sempre. :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não. foi do último parágrafo escrito por você mesmo que eu gostei.

      Excluir
  3. Ah tá. :D


    hihihihi...

    Obrigada!!! Bjs

    ResponderExcluir

Cuéntame.