terça-feira, 17 de julho de 2012

Avenida Brasil


Quem me conhece bem, sabe que largo qualquer programa de TV para ler um livro, jornal, livro de desenho ou bula de remédio. Qualquer coisa, menos TV.

Mas, um dia a gente cisma que quer deixar o cérebro “descansar” e senta em frente à TV para assistir à novela das 21h.

Gente... que coisa me-don-ha!!!



Um cara (sozinho, sem a ajuda de ninguém) fica com três mulheres ao mesmo tempo. Mulheres modernas, inteligentes, ativas socialmente... sem que nenhuma delas soubesse das outras. 

Ahã. 

Só na novela não tem fofoca, nem conversa paralela, cada um vive em seu mundinho e ninguém se importa com a vida alheia.  

Isso na vida real não durava 6 meses e com uma delas, ele ficou por 20 anos. 

Oi?



Outro personagem é um “suposto” gay que se casa – sabrá Dios el por qué - com “a gostosa” da novela. 

Só isso já seria muito. Mas, ontem eu tive a “sorte” de vê-lo descobrir que a mulher que o criou na verdade não era a mãe dele. E que a mãe dele é uma ex atriz de filmes para adultos que há anos se converteu à religião evangélica. 

Gente... vocês precisavam ver a crise existencial que se apoderou dele!!!!!

 - Pai, você não tinha o direito de fazer isto comigo!!!! 
 - Pai, você me enganou durante a minha vida inteira!!!
 - Pai, você acabou com a minha vida!!


E isso porque ele é um ser pensante, um homem A-DUL-TO, marmanjo velho, barbado... só a cabeça se esqueceu de sair da adolescência. 

Precisa esse drama todo?! Sério mesmo?!

Pélamor!!!



A Dona Carminha, outro exemplo, que se perdeu completamente nas tramas dessa novela. Que isso!!!

Se acha a mais esperta e perigosa das mulheres. Se fosse assim mesmo, já tinha - há muito tempo - dado uma de Elise Matsunaga em uma versão mais inteligente, ficaria viúva e única herdeira do (falecido) marido. Mas, não. É burra!!! Tem que ficar agüentando o “Ronaldo Fenômeno” pobre. 

A cretina abandona o filho em um lixão. Depois voltou lá, buscou ele e o criou como se fosse filho adotivo. Depois descobriram toda a verdade. 

Ontem quando ele apareceu todo arregaçado no Hospital, ela brigou com ex namorada dele – a mesma que o havia salvado lá na montanha – e saiu gritando:

- Meu filho!!!
- Eu quero notícias do meu filho!!!!
- Me larga Tufão (é o nome do marido dela)!!!!!!
- Filho, fala com a mamãe!!

De onde veio todo este instinto maternal agora, Dona Carminha?! Que isso, hein?!


Minha preferida: a Nina. Rs, rs, rs, rs...

Foi abandonada no lixão também. Pela Carminha. Depois foi adotada por um empresário argentino, foi criada em uma vinícola, se formou em culinária e é uma Chef de cozinha reconhecida internacionalmente. 

Ela tinha que dar uma Ferrari para a Carminha por ter feito isso com ela.   

Depois disso tudo, o que ela faz?

Resolve voltar para o Brasil e fazer “justiça” com as próprias mãos. Emprega-se como cozinheira na casa da Dona Carminha e depois disso só se fudeu. 

Quem é que abandona uma vinícola na argentina, uma carreira construída ao longo de anos de estudos, trabalho e viagens, uma vida estável e rica, etc???? Quem faz isso a troco de uma busca infantil em fazer a vida ser justa??? Quem??? Uma medíocre , ridícula, ególatra e BUR-RA que precisa urgentemente ser trazida à realidade. 

Será que ela pensa que foi a única criança a sofrer na vida?!

Por que não pensou em uma coisa mais humilhante e chic??? Por exemplo: ser a mais famosa Chef do mundo e em uma entrevista exclusiva a uma grande rede de televisão nacional, abrir o jogo sobre O QUE EU VI DA VIDA. Que a esposa de um ex-jogador de futebol armou tudo isso e que as recordações que ela traz da infância, são as piores possíveis!! E que ainda dói muito pensar em tudo aquilo!!

Chic. Chic. Chic. Phyna. Devastador. Toda a sociedade ia cobrar explicações dela. Abandono de incapaz é coisa séria.


Eu até ia sentir dó da Carminha. 

Talvez não.




Penso que deveria ter ficado com Zafón e o Prisioneiro do Céu. 

2 comentários:

  1. gostei da aula de separação de sí-la-bas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que quando fico nervosa falo assim: pau-sa-da-men-te.

      Excluir

Cuéntame.